quarta-feira, 21 de maio de 2008

Tabaco, não obrigada!

Hoje, dia 20 de Maio, a Elisabete e o Pedro da Divisão de Saúde da Câmara Municipal de Odivelas vieram até à nossa sala de aula. Propuseram-nos uma dinâmica de grupo, falámos sobre os maleficios do tabaco e dos beneficios de não fumar, no final concluímos que...

MALEFICIOS:
- Cancro do pulmão e outros;
- Pulmões pretos;
- Morte e menos tempo de vida;
- Prejudica a saúde, a nossa e a dos que nos rodeia;
- Doenças cardiovasculares.

BENEFICIOS:
- Importante para a nossa saúde;
- Mais tempo para viver;
- Vida saudável;
- Melhor ambiente;
- Maior resistência
- Melhor aspecto.

Por fim, fomos convidados a realizar um trabalho de expressão plástica cujo o mote foi "JOVENS LIVRES DE TABACO".

Na próxima quinta-feira, dia 29 de Maio, vamos aos Paços do Concelho da Câmara Municipal de Odivelas, apresentar os nossos trabalhos.
Adorámos esta iniciativa, aqui deixamos parte daquilo que aconteceu na nossa sala.

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Provas de Aferição


É já na sexta-feira, dia 16 de Maio, que vamos fazer o nosso exame de língua portuguesa. Fazemos votos que esta prova corra bem a todos os que a vão realizar.
Leiam tudo com muita atenção, ponderem as respostas e terão um bom resultado.
BOA SORTE para todos os colegas de 4º. ano, principalmente os da nossa escola e da escola Rainha Santa.

terça-feira, 13 de maio de 2008

Poema sobre o 25 de Abril

Lamento mas só hoje foi possível publicar o Poema que a Profª. Ana Gralheiro, Presidente do Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas D. Dinis,teve a amabilidade de nos ler aquando da sua visita à nossa escola.
Leiam-no e disfrutem da mensagem.


ERA UMA VEZ UM PAÍS…
(O 25 de Abril para crianças)

AUTOR: Jaime Gralheiro
ERA UMA VEZ UM PAÍS…

ERA UMA VEZ UM PAÍS…

Era uma vez um país,
que tinha como matriz a forma de um caixão.
Nesse país de terror,
havia como senhor
um homem sem coração…
Um tirano, um opressor!
Só quem queria o que ele queria,
e pensava como ele,
e como ele, também fazia
é que tinha a regalia…
de ser gente… os outros não!
Tratados como vassalos, muito pior que cavalos
Ainda abaixo de cão!
Para ter tudo na mão,
esse monstro de mil olhos,
de mil ouvidos, mil traições,
entrava em qualquer lugar
para ver, ouvir, escutar…
E quer fosse no emprego,
em casa de cada um,
no café, na escola, ou praça…
Sempre o olho da desgraça,
o seguia e perseguia,
de modo que quem dizia
mal da sorte, ou do patrão,
altas horas, ou de dia,
ía parar à prisão.
Meses, anos, uma vida…
Humilhado e torturado,
donde só às vezes saía,
pela única saída:
embrulhado num lençol,
atirado à cova,
noite fora e em segredo!
Era um país de “carneiros,”
sob o chicote do medo…
Oprimidos, censurados,
em fila bem perfilados,
como quem pede perdão!
Trabalhavam como escravos,
do nascer ao pôr do sol.
Aos Domingos tinham missa,
à tarde futebol…
e à noite ouviam o fado.
Nesse país desgraçado,
tudo o mais era “pecado”,
mesmo sonhar acordado!
Até vestir “blue-jeans”, ter isqueiro,
ou rapaz e rapariga…
sentados numa carteira,
lado a lado.
Tudo isso era vedado
pela moral do senhor
Era uma vez um país,
um país bem infeliz!
Com fomes, pestes e guerras,
onde os “vassalos” morriam,
e os “príncipes” engordavam.
Por isso, alguns fugiam,
outros, escondidos ficavam…
Resistiam e alertavam
os que dormentes dormiam,
até ver se os acordavam…
Era tal a opressão,
era tal a violência,
ao longo de tantos anos…
Que, tomando consciência
de tantas dores, tantos danos,
as armas que guardavam
o monstro das mil traições,
e às suas ordens matavam
e às suas ordens morriam,
começaram a conspirar…
Noite fora…
com aqueles que saindo das prisões,
sempre inventaram lugares
onde não houvesse ouvidos
do monstro dos mil olhares…
E foi assim, vede bem
Que numa certa madrugada,
sem que o esperasse ninguém,
explodiu uma canção,
como se fora granada!
Quem ousou gritar…
“O povo é quem mais ordena?”
Quem é a voz que acena,
fora de horas com a revolta:
“Aqui Movimento das Forças Armadas”!
Quem é que deixou à solta,
enchendo todas as ruas,
largos, praças e vielas,
milhares de cravos a florir
no cano das espingardas?
Quem é que pôs nas varandas,
quem é que pôs nas janelas
grandes bandeiras vermelhas?
E um rio de gente inundou o país,
afogou todos os medos,
estilhaçou as algemas.
Essa voz assim o quis!
E a coragem deu as mãos,
ligou um povo de irmãos
a cantar um canto novo,
que se levanta e flutua,
vai já no meio da rua,
como chama que incendeia
a resistente candeia…
Que se fez multidão
pronta a gritar:
“O povo está com o MFA”,
“O povo está com o MFA”…
E levanta-se do chão…
enche as almas oprimidas!
- Olá!
Mas, o monsto dos mil olhos,
como um velho leão
acossado, ficou cego!
Seus mil ouvidos
Ficaram surdos e num último estrutor,
Encurralado,
O monstro disparou…
E mais uma vez matou,
um povo desarmado!
Tinha que ser assim:
assassinos até ao fim,
numa revolução de fraternidade
e amor,
cuja arma era… apenas uma flor!
Pois, apesar das mortes inocentes
O grito das gentes
Parecia um mar a bramar:
“O povo unido jamais será vencido!
Levando tudo em frente!
E foi então, que o céu
Ficou mais azul…
De Nascente a Poente
e de Norte a Sul,
um país novo nasceu!
E toda a gente o cantou…
Era a liberdade que estava na rua!
E nos nosso corações
O medo MORREU!!
Pois, esse país triste e desgraçado,
não é uma fábula não! EXISTIU!
Foi o Portugal dos vossos pais e avós!
E agora… SOIS VÓS,
que tem na mão o país novo,
sempre a construir:
o Portugal de Abril,
o Portugal do Povo,
que há-de florir…
Em cada geração que vier!
MAS CUIDADO!
Que por detrás dos escombros
desse tal Passado,
estão sempre os ombros
do velho monstro,
que renasce em cada dia
em que a Liberdade e a Democracia
São atacadas!
SENTINELAS DO FUTURO TEREIS DE SER,
PARA QUE O VELHO MONSTRO DE MIL OLHOS, MIL OUVIDOS E MIL MÃOS
NÃO VOLTE A RENASCER!


Março de 1999
(no dia 26 de Abril de 1999 morria a minha mãe,
Margarida Marques da Costa Gralheiro,
grande impulsionadora ideológica do meu pai,
o autor do poema).

Ana Manuela Gralheiro

Projecto Aldeia

No dia 7 de Maio tivemos mais uma sessão do Projecto Aldeia.
Desta vez, fizemos um jogo que se chama "De ouvidos bem abertos e de olhos bem fechados". Pegámos numa cadeira e cada um de nós sentou-se no lugar onde se sentia mais confortável, depois colocámos uma venda nos olhos e o Prof. Rui colocou uma música suave.
Ele tocava no nosso ombro e nós começavamos a falar sobre o que bem entendessemos. No início falavamos baixinho, até que chegou a um ponto em que falavamos todos ao mesmo tempo. Ninguém se entendia. Cruzavam-se muitas conversas.
Depois tocou-nos novamente no ombro e cada um de nós calou-se.
Uff... que silêncio!
Veio a reflexão conjunta e nós dissemos:
...
- Tive dificuldade em começar a falar;
- Não gostei de ser o primeiro;
- Gostei muito deste jogo;
- Gostei de estar com os olhos vendados;
- Senti mais confiança quando comecei a ouvir os meus colegas;
- Quase todos falámos sobre a escola, os amigos, as nossas brincadeiras e da professora...

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Dia da Mãe - 4 de Maio de 2008

No próximo domingo, dia da mãe, vamos ofertar às NOSSAS SUPER MÃES uma linda planta.
Aqui demos inicio à decoração dos vasos.

Agora chegou o momento de embrulhá-la e fazer um cartão.

Chegámos ao fim, aqui está o produto final.

A Banda da PSP actua ao ar livre - 30 de Abril de 2008

No exterior da escola, assistimos a uma actuação da Banda da PSP.
Foi uma experiência muito boa.

Comemoração do 25 de Abril

Este ano tivemos uma surpresa espectacular...
Alguns colegas "mais crescidos" da Escola EB 2/3 dos Pombais - Sede do Agrupamento - vieram à nossa escola com a Profª. Ana Gralheiro (Presidente do Conselho Executivo) e a sua Profª. de música, tocar músicas de intervenção.
Como forma de agradecimento, pensámos oferecer-lhes um cravo. E... mãos à obra!

A abertura do espectáculo.

As nossas explicações sobre o 25 de Abril de 1974.

Ouvimos tocar muitas músicas de Zeca Afonso e outras. Nós acompanhámo-los trauteando algumas e batendo palmas.
A Profª. Ana Gralheiro leu-nos um poema inédito que foi escrito pelo seu Pai.
Depois da entrega das lembranças....
os agradecimentos!

Adorámos a iniciativa! Ficamos a aguardar por outras.